Assim que iniciamos na ultrassonografia, logo aprendemos que a ecogenicidade deve ser utilizada como um dos importantes parâmetros para a determinação de normalidade ou alteração patológica de um órgão.
Por ser uma avaliação qualitativa, subjetiva, utilizamos métodos de comparação entre os órgãos abdominais para determinar alterações na ecogenicidade, sendo a ordem de escala do menos para o mais ecogênico: cortical renal < parênquima hepático < parênquima esplênico.
Mas será que sempre funciona dessa forma?
Hoje se sabe que na medicina felina não podemos seguir essa ordem de comparação.
Em gatos sem disfunção renal é possível encontrar o aumento da ecogenicidade em cortical. Você sabe o motivo?
Isso ocorre devido ao depósito de gordura no citoplasma do epitélio dos túbulos contornados presentes na camada cortical, e não está associado ao peso corporal do gato.
Estudos demonstram correlação com hormônios sexuais e idade, sendo mais frequente encontrarmos essa característica em animais idosos, machos castrados e fêmeas gestantes.
Portanto, o aumento da ecogenicidade na cortical renal em felinos, isoladamente, pode não sugerir nefropatia.
Devemos considerar outros parâmetros em conjunto como dimensões, arquitetura, contornos, formato, relação e definição corticomedular.
Vou te mostrar uma imagem de um felino que se enquadra nesse padrão de normalidade:

Rim felino. Macho castrado, 7 anos e sem raça definida (SRD) com ecogenicidade aumentada, porém não apresentava disfunção renal.
Rim felino. Macho castrado, 7 anos e sem raça definida (SRD) com ecogenicidade aumentada, porém não apresentava disfunção renal.

Então fica a dica para prestar melhor atenção na ecogenicidade cortical renal dos felinos!

Quer saber mais peculiaridades sobre ultrassonografia aplicada na Medicina Felina? Participe gratuitamente do evento online e ao vivo “O Segredo da Ultrassonografia Felina” no dia 23 de Janeiro de 2023.

Referências

Drost, W. T., Henry, G. A., Meinkoth, J. H., Woods, J. P., & Lehenbauer, T. W. (2000). Quantification of hepatic and renal cortical echogenicity in clinically normal cats. American Journal of Veterinary Research, 61(9), 1016–1020.
Griffin, S. (2020). Feline abdominal ultrasonography: what’s normal? what’s abnormal? The kidneys and perinephric space. Journal of Feline Medicine and Surgery, 22(5), 409–427.
Yeager, A.E, & Anderson, W.I. (1989) Study of association between histologic features and echogenicity of architecturally normal cat kidneys. American Journal of Veterinay Research 50(6):860‐863.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *