Você já pode ter notado que a textura do baço em filhotes de cães ao ultrassom pode parecer diferente do padrão que estamos acostumados. Você sabe o motivo?

O padrão de normalidade do baço em cães é descrito como homogêneo, hiperecogênico e de ecotextura fina. O padrão rendilhado ou a distribuição difusa de nódulos hipoecogênicos pelo parênquima esplênico nos faz pensar em algum processo patológico, sendo mais comumente associado a linfossarcoma, mastocitoma, hematopoese extra- medular e hiperplasia linfoide, mas calma aí….

Um estudo (Hwang et al. 2020) avaliou e graduou os níveis das alterações no padrão de textura do baço em filhotes caninos e correlacionou com a idade. Foram estabelecidos quatro padrões para a ecotextura esplênica:

  • Grau 1: Padrão granular -> ecotextura homogênea, sem identificação de nódulos hipoecogênicos;
  • Grau 2: Padrão reticulonodular discreto -> ecotextura heterogênea com nódulos hipoecogênicos medindo abaixo de 0,2 mm de diâmetro, distribuídos por cerca de menos de 10% do parênquima esplênico;
  • Grau 3: Padrão reticulonodular moderado -> ecotextura heterogênea com nódulos hipoecogênicos menores e menos definidos que o grau 4, ocupando entre 10 a 25% do parênquima esplênico;
  • Grau 4: Padrão reticulonodular marcado -> ecotextura heterogênea com nódulos hipoecogênicos medindo acima de 0,7 mm de diâmetro e bem definidos, ocupando acima de 25% do parênquima.
Padrões de ecotextura de baço de filhotes de cães, Alterações no padrão em cães de 4 a 60 semanas de idade.
Padrões de ecotextura de baço de filhotes de cães, Alterações no padrão em cães de 4 a 60 semanas de idade.

Os resultados obtidos demonstraram que:

  • Filhotes com 4 semanas de idade apresentaram um padrão granular, mais homogêneo.
  • Filhotes de 8 a 24 semanas de idade já apresentavam um padrão reticulonodular discreto,
  • Gradativamente, os filhotes atingiam o grau 3 ou 4 com 28 a 36 semanas de idade.
  • Entre 40 e 56 semanas, o parênquima ficava cada vez menos heterogêneo, e
  • Com 60 semanas, retornava ao padrão granular.

Por analogia a estudos em humanos devido às similaridades no desenvolvimento do sistema imunológico canino e humano, supõe-se que essa alteração da ecotextura esteja relacionada à maturação dos folículos linfoides na polpa branca após o nascimento.

Ao ultrassom, os folículos linfoides surgem como nódulos hipoecogênicos visibilizados nas varreduras realizadas com transdutores de alta frequência.

A razão para o padrão de textura voltar ao aspecto mais homogêneo a partir das 36 semanas de vida é desconhecida.

É importante lembrar que este aspecto heterogêneo do parênquima esplênico é visto com frequência na avaliação ecográfica de filhotes, não de cães adultos.

E aí, gostou do conteúdo? Comente aqui quais outros tipos de conteúdos você quer ver!

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *